segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O congresso di Guintis di PAIGC

Por, Saliatu Sali Costa

Bom, apesar de estar sob medidas de coação, encontrando-me fortemente vigiada (afinal sou importante e não sabia 😀), venho partilhar convosco o meu pensamento deste dia 10 de Outubro, data que nos lembra o congresso de Cacheu, congresso di Guintis di PAIGC! Lembrem-se?

O Facebook me lembrou deste dia, como se eu tivesse lhe pedido, porém encontrei pertinência no facto! Lembrei-me do discurso do "nosso" DSP, homi ku tá papia sabi, e é nosso sim; nós o apoiamos, também; e lembrei-me do discurso emotivo do Nhu Manel Saturnino, que pedia reconciliação e união no partido.

Eu em Portugal, segui a cada minuto todo o desenvolvimento do congresso; té otcha nô kontadu kuma: Engenheiro Domingos Simões Pereira nganha liderança di partido e no seu discurso, apontou o bandido do Manuel Saturnino como Presidente de honra do PAIGC, pelo papel desempenhado!

Senti-me animada e confiante com a vitória, ciente de que ganhou o mais bem preparado, ou, de maneira mais clara: kim ku kunsidu internacionalmente.

No mesmo dia, ao falar com o meu pai, perguntei-lhe: Papá, kuma gora ku bu sinti? E ele:
-Fidju femia, n'sta kontenti; kil ku nô ka pudi Fassi, êssis na fassil ! Do outro lado da linha, senti a alegria do velho e me alegrei!

Chegou a vez de escolherem o candidato do PAIGC para a Presidência, Foi o Jomav e também aplaudi bastante, senhor que eu conheço muito bem e que deu provas da sua capacidade e seriedade enquanto Ministro de várias pastas! Vitória soma Vitória e por fim o Tonton Cipriano Cassama, nha tio ku nô ta djumbai suma colegas!

Nha ermons, PAIGC no seu melhor, ê nganha tudu kussa!
Nô na repeti kê ku nô fala badja:
Engenher Domingos, suma kim ku nganha; i fika na ki discurso bonitu, i ka djunda ki utru ala pa ê pertu n'ghutru, pa tenta um profundo reconciliação interna; muito pelo contrário, ê dicidi: mostra kada kim si lugar, cada Santchu na si pó! E a ala vencida, porém de peso, e que um estratega jamais daria ao luxo de desprezar, que não tinha digerido bem a derrota, viu uma grande oportunidade de fazer finca pé por tudo e por nada.

Nô pera gubernu, nô ansia um governo sim nada ku na sussal, um governo cheio di guintis ku dá dja prova di sê qualidade! Nundé ki governo gora? Pa kada kim julga, ku si consciência! Ami mé, nfala logo pa nô dá nô apoio, pa ka ninguim despreza Botche Candé!

Guintis na n'ghuni-n'ghuni kuma kussas ka sta diritu: Cipriano na ramata té na Angola, DSP ku si mininu bonitu tudu dia na dá entrevistas, Jomav kila nô ká sintil ba; guerra kumssa entre Cipriano ku DSP, bô lembra?

Nô guintis garandis, kumsadu pa nhu Manel, ê sinti tcheru di kussa ku ka sta diritu, ma ê lestu ku disisti di sinta kombersa pa uni ki tris pedra di fugom! Ma tambi, si mininu rissu garganti, garandi tá dixa mundu krial!

Engenheru pa si vez, i na sustenta ki guintis ku kria blog di Koba mal, logo na campanha, i kumssi poder di mídia, i djiru mal; ma na Guiné, som pa bata findji tulu kkkkkk! DSP Fassi pacto ku Deus i ku diabu tudu djuntu, i diskici kuma kada kim tá bim kobra di sêl, hum-hum...

Kombersa na kombersadu, mininus di Domingos Simões Pereira na Koba guintis mal tudu dia... Ê kumsa na Cipriano; kaba ê ka medi nada; tudu guinti ê tá ratcha mal kkkkkkk, ma é tá pagadu pa kila... No meio de tanta palhaçada, Jomav bati vap, nó sunhus tudu Kai... Ma Jomav, bu iara mal, ki governo si bu ka batil ba, Borgonha na dita; Pabia kil ku ê na Fassi ba ka na tchiu, nô kumssi badja manga dêlis! Ou nô pensa mesa redonda i partido, tchiga bu Fassi kuma ku bu misti? FMI mé dá badja sê parecer sobre governo.

Jomav mé bu iara, bu batil má bu ka danu solução mindjor... Mbom ala opressão kumssa; frustração, guintis ku ka kustuma Trabadju di kansera; Nô engenheiro fala kuma: mbom; ami nkana manda, ma nim abô tambi bu ka na manda, povo pa é kumé sê merda; nka mporta si escola ka tem, si hospital ka tene condição, nka mporta nada; ma nim Jomav tambi ka mporta!
Na meio di guerra di homis, anôs koitadi, nô Bida nô ka ossa nim turssi!
Nka pudi fala i djusta, nka pudi fala nada, ameaças na tchubi pa tudu ladu kkk... Djubi ami mmedi bô, mpanta Tô ku nna tirmi kkkkkkkk... Nha Facebook sta vigiado, ma nô na fala êlis kuma: pa é kontinua pantanu, pa ê kontinua sugundi!

Nô tem ku idolatra bô ídolo anôs tudu, antis di bô kobanu na blog! Nó tem ku fala: sim senhora, DSP i Santu, i Fassi tudu certo. I Fassi, ma i rianta bôs di Portugal pa Bissau sim paga bilhete kkkkkkk!
Cada kim ku dá si opinion, i bandidu, i tchamidur, i ladrom, i burru, credi! Nim bô ka lembra aonti, nim bô ka tene consciência!

Mbom, suma kim ku mas kumssi bôs i DSP, nô na ngodal, pa i pidi bôs: pa bô danu permissão pa nô pensa, pa nô papia baixinho, pa nô falal tambi kuma, pa i livra di bôs, bô sussal tudu ku ê bô comportamento! Abôs i mininus formadus, recém-formadus, nô precisa di bô expressão pa leba terra dianti, i ka pa desinforma, pa inventa, pa konta mintida, pa Dana nomi di terra na tudu lado, pa sustenta ê clima di ódio té dentro di família di guintis! Suma abôs i justos, bô perfeito, bô sibi tudu, nta bô admiti kuma: Democracia i assim, kada kim tene si manera di odja kussas, i ka tchiga bô vigianu!
Mbom; aôs i djusta, mmedi dja, mpanta mal!

No meio disso tudu, ntene pena di guineenses, di anôs ku acredita na bôs, ntene pena di nha papé, Kombatenti ku luta pa sintanda bôs nundê ku bô na ronka malcradessa nel sim, kuma bô na pantam, pa mmedi papia! Boka iam! Kkkkkkkkk

Façam melhor, mas cuidado, i na bim tchiga pa kada kim toma si kinhom!

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Falar do Acordo de Conacri ignorando a Constituição da República da Guiné-Bissau, é como promover uma ruptura constitucional.

Por, Fernando Casimiro

O alegado consenso político que culminou num fracasso designado (Des) Acordo de Conacri, não tinha razões de ser e por isso não se sustentou.

Consensos políticos não devem sobrepor -se à legalidade.

Se a Guiné-Bissau estivesse numa situação atípica face a uma ruptura constitucional, o diálogo político seria a melhor forma de se promover um consenso político para se viabilizar o retorno à legalidade democrática.

Não é o caso, por isso, ainda que haja uma grave e persistente crise política, institucional e social na Guiné-Bissau, o Estado continua a ser dirigido tendo em conta os poderes e as competências atribuídas aos órgãos de soberania pela Constituição da República.

Que consenso se sustenta do Acordo de Conacri, quando não houve e continua a não haver Boa-Fé das partes em disputa?

Que consenso político com base numa perspectiva democrática, definiu os mecanismos jurídicos, constitucionais e legais, reguladores do Acordo de Conacri ao ponto de, em caso da sua violação, haver uma Entidade jurídica que possa pronunciar-se face a uma solicitação nesse sentido, pelas partes, tal como acontece com a Constituição da República e o pedido de fiscalização da constitucionalidade junto do Supremo Tribunal de Justiça nas vestes de Tribunal Constitucional?

Que salvaguarda legal assiste ao Acordo de Conacri?

O Acordo de Conacri foi perda de tempo; é uma afronta à legalidade democrática e uma clara humilhação para a Guiné-Bissau e para os Guineenses.

Sim ao diálogo e aos consensos, sem contudo, pôr em causa a sustentabilidade da legalidade democrática.

Ao permitir que a Constituição da República da Guiné-Bissau fosse violada de forma flagrante, com a possibilidade de nomeação de um Primeiro-ministro dito de consenso, merecedor da confiança do Presidente da República, os Deputados Guineenses demonstraram não estar ao serviço do Povo e da legalidade; ao propor 3 nomes da sua confiança aos Partidos políticos para o cargo de Primeiro-ministro, o Presidente da República demonstrou não ser o Garante da Constituição da República da Guiné-Bissau.

Foram todos a Conacri, ignorando o órgão de Soberania Supremo Tribunal de Justiça.

Quem pediu parecer jurídico sobre a legalidade de um documento designado Acordo de Conacri?

Quem analisou e debateu os pontos propostos no tal Acordo de Conacri?

Esqueçam o Acordo de Conacri. Falem e exijam, sim, o respeito e o cumprimento da Constituição e das Leis da República da Guiné-Bissau!


Positiva e construtivamente.

A reinserção política na Guiné-Bissau?

Por, Dr. Kabi Na Debé

Durante todo este período de tempo em que o país se encontra paralisado por causa das guerrilhas internas no PAIGC, foram capazes de interiorizar os erros cometidos, as consequências dos actos perpetrados em detrimento dos interesses próprios? Julgo que o partido libertador é único culpado neste jogo. Tivemos um passado infeliz (jovens),carecemos de ter um futuro diferente e a possibilidade e ou oportunidade para proporcionar uma nova vida ao povo da Guiné-Bissau, que bem mereçam. Tal como ocorre nos outros países da sub-região.

De realçar que impedem sobre a nossa geração responsabilidade, necessidade e dever de dar toda a nossa energia positiva para o bem-estar da sociedade., aproveitando todas as oportunidades com vista a reconstruir uma nova e consolidada democracia.

Atendendo a gravidade subjacente destes fatos devemos alertar, sensibilizar e estimular uma política de excelência para a nossa juventude. Isto porque apoiar esta política de terra queimada é contribuir de igual modo para o aumento ou edificação de "BANDIDAGEM ECONÓMICO-POLÍTICA"


É certo que estes "ABUTRES" não aprendem com recorrentes erros, atitudes essas que deveriam ser censuradas.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

O PAIGC, que vergonha!

“- Para fazer face aos grandes desafios do momento o PAIGC deverá retirar os ensinamentos e as lições que então permitiram uma nova reorientação para a gloriosa Luta Armada de Libertação Nacional, indo buscar novas fontes de energia política, intelectual e militante à Cassacá mas próximas comemorações do 20 de Janeiro, Dia dos Heróis Nacionais;

- Doravante cada responsável de uma estrutura a cada nível da sua responsabilidade deverá ter a capacidade de resolver os problemas locais tendo por base os Estatutos e a militância e quem não tiver ou demonstrar capacidade de liderança deve deixar o lugar para os que demonstram no dia-a-dia da sua activa militância estarem a altura de levar por diante s defesa dos superiores interesses do PAIGC;

- Aguarda enquanto líder do PAIGC uma nova postura da UDEMU após o seu próximo Congresso enquanto organização de massas do partido cujo papel e participação nesta fase de luta que o nosso Partido enfrenta deve-se situar à altura dos pergaminhos e exemplos das mulheres combatentes.


- Em relação à JAAC o exemplo personificado pelo jovem Daniel da Mata deve ser o modelo de participação e dedicação que a organização reserva segura e combativa do PAIGC deve seguir;” - Domingos Simões Pereira

Memória curta do povo votante

As últimas eleições demonstraram como é curta a memória do povo. Verdade seja que, desta vez, não terá sido apenas a curta memória, mas também, o desnorte dos que detiveram o poder, e colocaram o eleitor num beco sem saída. Seja como for, não podemos entender que uma crise, cuja génese foi o PAIGC, procure a mesma origem para a sua debelação.

Ou será que o “ clube politico do PAIGC” esta de tal forma organizado e enraizado que apenas quis mudar de directriz em rotação convencional?

Realmente o que tem acontecido no panorama política guineense leva-nos muitas vezes a pensar se os políticos não estão a imitar os muitos advogados que se irritam com os colegas na barra dos tribunais para sensibilizar o cliente e que, depois, em privado, combinarem a melhor maneira de, como diz o povo, “ fola Baka, na mindjor maneira”.

Só assim se podem entender certos actos para os quais à luz de um recto raciocínio não arranja entendimento! Todavia, e mesmo assim, espanta que o povo guineense, depois dos sucessivos insucessos dos governos do PAIGC em toda a parte e até na sua própria casa, lhe tenha conferido novo mandato, ora falhada.

Se isso não é Algofilia…
 Caminha com mais segurança…. Aquele que preservar o passado com cortina de vidro para ler sem ter de voltar a página. Não será sensato comer à mesa com a permanente lembrança do passado, mas já o será se nele meditarmos de quando em vez, para alicerçar o futuro… e o alicerce é sempre indispensável para o equilíbrio de qualquer construção!

O PAIGC servirá para distribuir (porque isso normalmente não faz suar), mas este pobre povo guineense já distribuiu o que tinha e não tinha, e agora vive a pedir.

Será então que o eleitor quis PAIGC a pedincha?

O pior é que os credores, normalmente, não emprestam ao pedinte que não dê garantias de pagar “ o tal misterioso resgate do Geraldo Martins”, e nos não vamos pagar com poder político falidos, com absentismo e com anarquia do Cipriano cassama na Assembleia Nacional Popular e o comodismo administrativo que isto tudo permitem ao José Mário Vaz. Por isso não acreditamos que possamos continuar a viver de empréstimo ou da generosidade dos outros.

É mister reconquistar a dignidade do povo guineense e regressar ao trabalho com honestidade, e não vemos como quem ajudou e continua ajudar à anarquia tenha capacidade para fazer o contrário.

O povo Guineense, que é pacato e na sua maioria animista, certamente acreditou nas “ mandjiduras”; E nós bem desejávamos que acreditasse a desilusão do PAIGC e seus dirigentes… Só que estas “ mandjiduras” só virão pelo trabalho aceite como obrigação colectiva, e pela capacidade de gestão dos que governam, e nunca fará a sua “ mandjidura” na janela da demagogia do PAIGC.

Para terminar, faça lembrar os dirigentes do PAIGC e os seus satélites partidos, que o futuro se constrói principalmente meditando e eliminando os erros do passado.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

José Mário Vaz reafirma confiança no Governo de Sissoco

O Presidente da República da Guiné-Bissau reconheceu, no sábado 31 de dezembro, que 2016 foi marcado por momentos difíceis, porque o país ficou parado e estagnado, devido às divergências políticas.

Neste sentido, José Mário Vaz lança um desafio à sociedade guineense para fazer o balanço da atual situação política e responsabilizar os atores políticos pela crise que tem feito o país refém.

“Devemos aprender com os erros do passado recente, servindo de lição do que deve ser evitado no futuro, a partir de manhã” disse Mário Vaz, para adiantar que “o novo governo é a derradeira esperança para resgatarmos a confiança do cidadão guineense no homem político responsável pela coisa pública. Muitas soluções de governo foram já ensaiadas, quase todas não deram os resultados almejados por todos nós”.

José Mário Vaz apela à sociedade guineense a não perder a esperança nos seus políticos. Contudo, afirma que não se pode continuar a dar cheque em branco aos governantes sem que se digne resolver os problemas mais prementes da sociedade, tendo afirmado que é chegado a hora de os políticos atenderem às demandas da população guineense.

“Sei que a vida dos guineenses não está fácil nos dias de hoje” reconheceu o chefe de Estado guineense.

No seu discurso à Nação, centralizado na administração pública guineense, José Mário Vaz afirma que a Guiné-Bissau não pode continuar a desaproveitar os seus quadros jovens que todos os anos são diplomados, devido ao facto da reforma na função pública ainda não ter avançado.

Por isso, o presidente da República diz esperar que o executivo de Umaro Sissoco Embaló seja capaz de espelhar as reformas necessárias no seu programa, a fim de emagrecer a estrutura do estado até aos limites da real capacidade financeira da Guiné-Bissau.

“O combate à corrupção é um trabalho de todos os cidadãos, em particular, das forças de segurança nacional. Um aviso, cuidado que a máquina de combate à corrupção desta vez esta montada e quem arriscar sofrerá consequências” avisou.

Mário Vaz acredita, no entanto, que o país se encontra num momento de viragem política e económica para acompanhar a competitividade das outras economias. Isso exige, segundo chefe de Estado, uma Administração Pública célere, transparente e eficaz, servida por agentes competentes e motivados.

O chefe de Estado guineense aproveitou ainda a ocasião para realçar o papel das forças de Defesa e Segurança pelo seu distanciamento das querelas político – partidárias, dando assim mais um elevado exemplo de patriotismo.

José Mário Vaz enaltece ainda, no seu discurso à nação, o apoio da Comunidade internacional e o importante contributo da CEDEAO na mediação da crise político institucional guineense.


Tiago Seide

sábado, 31 de dezembro de 2016

O Sonho transmitido em mensagem do Celestino Elton Infanda para estudantes e guineenses em geral

“Tenho um sonho” que um dia os nossos governantes ganharão consciência e saberão colocar em primeiro plano os problemas da Educação e da Saúde.- Elton Infanda

Excelentíssimo, Senhor Dr. Bacar Sanha, representante do Embaixador da Guiné-Bissau em Portugal;

Excelentíssimo, Senhor Diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Professor Doutor Eduardo Vera-Cruz Pinto;

Excelentíssimo, Senhor Professor Doutor Januário Costa Gomes;

Excelentíssimos, Senhores representantes das ONGs;

Caros colegas e amigos da AEGBL!

Senhoras e Senhores

Em primeiro lugar, gostaria de endereçar as minhas palavras de apreço aos colegas dos corpos sociais da AEGBL (Associação de Estudantes da Guiné-Bissau em Lisboa), que hoje cessam as suas funções, mas que continuarão a merecer as nossas considerações e encará-los como membros da AEGBL conforme mandam os Estatutos.

Permitam-me ainda que faça aqui uma referência especial à Mesa de Assembleia Geral, designadamente, aos seus dois membros recém-eleitos e de modo particular ao seu Presidente Samora Abia Có, pela amabilidade e esforço demonstrado ao longo de todo o processo eleitoral, já anteriormente iniciado pelos nossos caros colegas, que muito nos honram.

É justo dirigir também palavras de profundo agradecimento aos ex-membros da lista H, pelos trabalhos feitos durante todo o processo eleitoral e que nos deu esta vitória merecida. Vitória esta que dedico a toda a comunidade académica guineense em Lisboa, pela confiança assentada nesta aventura difícil, mas que deve ser encarada como uma oportunidade para tornar a nossa AEGBL cada vez maior e melhor!

E em nome dos meus colegas da ex-lista H”, o nosso muito obrigado por àqueles que contribuíram directo ou indirectamente para o bem da nossa associação.

Caros colegas e amigos da AEGBL

A nossa vitória, é uma vitória de todos nós sem excepção, porque é este o princípio que cria, nos alimenta, nos move e nos faz fiar numa sociedade mais justa, solidária e igualitária para com todos.

A vitória do dia 6 de Abril de 2013, é um indicador claro da confiança deposta em nós na qualidade de ex-membros da Lista H. Por esta razão, enquanto presidente da direcção que hoje inicia as suas funções, prometo fazer de tudo nos limites das minhas capacidades físicas e intelectuais para corresponder às vossas expectativas e daqueles que nos elegeram, manifestando assim o meu desejo em trabalhar com toda a comunidade académica guineense em Portugal e em especial em Lisboa e ainda de modo particular com os meus colegas das ex-listas, A e G.

Durante a campanha eleitoral sempre nos apresentámos aos nossos irmãos eleitores como uma lista renovadora, que tem toda a disposição e condições para ajudar a construir um futuro melhor da Associação de Estudantes da Guiné-Bissau em Lisboa (AEGBL). Como diz o povo «o caminho faz-se caminhando» e na mesma linha de raciocínio também diria «o caminho faz-se com ajuda e contributo de todos». Nesta ordem de ideias, vamos precisar e contar com a colaboração de todos, relembrando que a AEGBL enquanto instituição académica dos estudantes guineenses em Lisboa norteada pela abertura aos demais não será de modo algum esta nova direcção a fechar a porta. Como foi, é e será uma casa aberta e fraterna para com todos estudantes e amigos, em linha de continuidade.

Caros colegas ex-membros da lista H

O passar de testemunho que nos foi esperançado no dia 6 de Abril, é uma responsabilidade acrescida. As expectativas são elevadas, pelo que devemos encarar este novo percurso com maior sentido de responsabilidade visto que, o tempo em que nos encontramos é extremamente difícil e exige de nós o melhor!

Caros colegas estudantes

Eu tenho um Sonho, de um dia ver os estudantes guineenses em Portugal e em Lisboa em especial, com melhores condições académicas e julgo ser também o vosso desejo. Creio que chegou a hora, // (Hora Tchiga) // e espero poder contribuir para que esse sonho se transforme numa realidade. Mas, para tal é preciso convicção, persistência, paciência e força de vontade para pôr em prática esta causa nobre e alcançar os objetivos por nós traçados.

Senhoras e Senhores

A ambição e o objectivo primeiro desta nova direcção que hoje toma posse é trabalhar com qualquer entidade pública/privada imbuída do mesmo espírito que nós e que queira trabalhar connosco. Porque estamos cientes dos problemas do nosso continente, particularmente, os do nosso país, a Guiné-Bissau. Problemas esses de várias ordens cujos maiores responsáveis são, sem dúvida, os nossos governantes que não nos dão devido acompanhamento. E essa falta de acompanhamento e a ausência quase total de incentivo reflectem directamente na nossa vida académica.

Os factos reais de abandono escolar não me deixam mentir. Pois, quantas vezes já assistimos casos de desistência de estudos, quer cá quer na Guiné? Quantas vezes, já ouvimos o nosso primo, amigo, colega da faculdade a dizer “vou enveredar pelos outros caminhos”, com rostos pálidos, evocando as razões económico-financeiras? São muitas e incontáveis! E julgo que concordarão comigo que este tipo de episódio mina sonhos, mina uma geração que se diz Abós i futuru di é país! E mina o futuro de um país.

Mas, para que a Guiné-Bissau e a sua juventude não sejam condenadas ao contínuo atraso por causa destas contrariedades é urgente que todos nós guineenses, sem distinção dos bons e maus, pormos as mãos à obra e norteando-nos pelos nossos valores culturais que sempre nos acompanham e nos identificam quer onde estejamos. Valores estes: a amizade, a fraternidade, a solidariedade, a entreajuda e a partilha e sem pôr de lado a justiça e a igualdade, que alteiam a razão da nossa existência enquanto país soberano.

Caros colegas, ex-membros da lista H

A missão que nos foi confiada, começa hoje e é uma missão na qual devemos colocar em primeiro lugar as necessidades de quem mais precisa porque é para isso que fomos eleitos.

Senhoras e Senhores, caros colegas estudantes

Face à incapacidade dos governantes africanos em geral e em particular os do meu país, em resolver os problemas das futuras gerações "eu tenho um sonho".

“ Tenho um sonho” que um dia os africanos conseguirão resolver os seus problemas sem depender de ajudas estrangeiras;

“Tenho um sonho” que um dia os africanos ultrapassarão as divisões tribais e que os países africanos tornarão uma nação;

“Tenho um sonho” que um dia os nossos governantes ganharão consciência e saberão colocar em primeiro plano os problemas da Educação e da Saúde.


Muito obrigado pela atenção

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

ALPHA CONDÉ, presidente da vizinha república de Guiné-Conakry, em concluio com o Governo de Angola para destabilizar a Guiné-Bissau

Por, Carpinteiro Wilrane Fernandes

Qual é o maior objectivo da informação? Um dos principais objectivos é ter que ser o primeiro a informar verdade. Então, qual é a responsabilidade de jornalistas, blogues, e homens de comunicações em geral na Guiné-Bissau? É dizer a verdade, mais nada!

ALPHA CONDÉ, presidente de Guiné-Conakry, serviu como meio, para Angola poder transferir uma soma importante em dinheiro para Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, a fim de comprar dois carros blindados nos Estados Unidos da América. Esta informação foi tornada pública pelo próprio Domingos Simões Pereira, numa entrevista concedida por ele, num dos jornais seminário privado na Guiné-Bissau.

O Domingos Simões Pereira, já vinha desde CPLP, com mania de viver da corrupção, alimentada pelo José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola, como podem ver nos documentos…



E, no seu governo, fazia festa de cabras em todas semanas no Bairro de Ajuda com dinheiro de povo da Guiné-Bissau… Tinha no seu governo um ministro de finanças que trabalhava em Bissau e dormia no Dakar, com as viagens diários de ida e volta pagas pelo dinheiro do Povo da Guiné-Bissau e outro que escondia geradores do estado na casa de sogra. Se és guineense, com certeza o teu dinheiro ou dos teus pais foram gastas nestas brincadeiras do líder do PAIGC.

Compatriotas, brincadeira tem limites!

O governo de Domingos Simões Perira, expulsou os filhos dos verdadeiros combatentes da liberdade da pátria, que se encontravam admitidos apos golpe de 12 de Abril, na direcção geral do Porto de Bissau e na Camara Municipal de Bissau. Com um falso protesto que foram admitidos na função pública apos contragolpe que expulsou os angolanos justamente do nosso país…